Contos Eróticos Sexo Livre

Erotismo em forma de Série

Publicado o Episódio 03 da Terceira Temporada

Um Novo Casal Liberal

Episódio 02

Durante uma viagem de Paulo, Sara experimenta novamente o sexo com outra mulher.  Rosana, uma loira linda, convida Sara para conhecer um bar recém inaugurado na cidade.  Aproveitando que estaria sozinha, convida a colega para dormir em seu apartamento, não imaginando que seria o início de uma intensa relação, que no futuro envolveria também Paulo

“Dava para perceber que estava muito excitada e sem perder tempo deitou-se entre minhas pernas abertas e me beijou alucinada.  As línguas se misturavam em completo deleite e um tesão desvairado tomou conta de minha cama.  Sem interromper o beijo,  levantou um pouco seu peito e fez com nossos mamilos enrijecidos se tocassem enquanto seus quadris pressionavam meu corpo.

Prévia do Áudio

Voltei a trabalhar no dia seguinte e encontrei muitas tarefas acumuladas.  Nas primeiras semanas foi necessário ocupar minhas noites trabalhando e deixei Paulo na mão.  Ele estava animado editando o vídeo do Caribe, mas sempre que queria me mostrar, eu tinha de trabalhar ou estava muito cansada.  Duas semanas nessa rotina me deixaram com a libido em baixa e quando finalmente teria um final de semana tranquilo, Paulo teve de viajar para visitar uma irmã que se encontrava enferma.  Decepcionada, conclui que seria um daqueles finais de semana que vestiria uma roupa confortável e passaria o tempo todo em frente a uma televisão.  

Tudo mudou quando recebi uma mensagem de Rosana, uma colega de trabalho, que a alguns meses havia terminado um relacionamento de muitos anos.  Havia comentado com ela, que Paulo teria de viajar no sábado e que provavelmente eu passaria o final de semana em casa.  Mesmo com a liberdade de solteira, Rosana saía pouco, já que suas amigas mais próximas eram casadas e não se sentia à vontade saindo com casais.

Sua mensagem era me convidando para conhecermos um bar novo da cidade, um lugar descolado com música ao vivo e drinques originais.  Como Paulo sempre me estimulou a sair com amigas, aceitei e a convidei para dormir em nosso apartamento, afinal Paulo passaria a noite com sua irmã.

Sempre que saio de casa sem meu marido, procuro usar roupas mais discretas para não chamar a atenção de ninguém. Sem explicação, naquela noite vesti o mesmo vestido curto e grudado que havia usado no Caribe em nosso primeiro encontro no bar com Nádia e Rafael e completei com uma sandália de salto alto, que me deixava ainda mais sexy.  Rosana passou no meu apartamento para irmos juntas e ao entrar no carro logo percebi que estava chamando a atenção.   Ela me olhou de cima em baixo e falou: “Uau !! Que tesão de mulher !”.  O comentário me deixou ao mesmo tempo lisonjeada e constrangida e quem sabe até excitada.  

Jovem, vestindo uma saia curta e uma blusa bem decotada, Rosana também esbanjava sensualidade.  Não pude deixar de observar seus fartos peitos, que me fizeram sentir inveja e até vontade de aumentar os meus que são pequeninos.

No caminho fomos conversando sobre sua vida de solteira.  Logo de início me confessou, que mesmo com sua filha em casa, se sentia muito sozinha e carente.  Brinquei que estava era sentindo falta de um homem e ela respondeu sorrindo que uma mulher também resolveria.  Sua resposta me surpreendeu, já que não éramos muito íntimas e não conhecia suas preferências.

O bar era realmente era muito interessante.  Um lugar pequeno, mas bem decorado em um ambiente bem intimista.  A maioria das mesas estavam ocupadas por grupos com mais de quatro pessoas, com exceção da nossa e de uma outra, ocupada por dois rapazes, que pareciam formar um casal.

Não imaginava que Rosana era uma pessoa tão alegre e animada. Depois de duas Margaritas a conversa já estava completamente sem censura e logo percebi seu interesse por mulheres.  Para completar, por diversas vezes senti suas pernas roçando nas minhas de forma bem sugestiva, fazendo com que um calor subisse até minha buceta, que logo ficou melada.

Durante a conversa, Rosana me contou os motivos de sua separação.  Me confessou que gostava muito de sexo e com seu marido era muito gostoso, porém sempre sentiu atração por mulheres.  Em certo momento resolveu contar para ele, que sendo muito conservador não recebeu muito bem a notícia.  Chegou até a propor um ménage para ver se ele se interessava, mas ficou pior ainda.  No final, ela acabou por se envolver com outra mulher e quando ele descobriu quis se separar.

Animada pela bebida e com o afrodisíaco da conversa, acabei falando que se fosse com Paulo não haveria nenhum problema, na verdade ele sempre quis me ver com outra mulher.  Rosana completou dizendo, que após a separação continuou o romance com sua amante, mas por causa da filha não chegaram a morar juntas e o relacionamento não durou muito.

Voltando ao o apartamento, preparei mais um drinque e ficamos conversando.  Sentadas no sofá, Rosana aproveitava os momentos de descontração para passar as mãos em minhas pernas, chegando a comentar como minha pele era macia e sedosa. Meu corpo já ardia de tesão e achei até que iria rolar alguma coisa, mas sem perceber não dei muita abertura e creio que ela não teve coragem de avançar.

Já havia deixado o quarto de hospedes arrumado e  fomos nos deitar desejando bom sono com um gostoso e carinhoso abraço, apenas concordando que a noite havia sido maravilhosa.  Minha vontade era surpreendê-la com um beijo bem quente e levá-la para minha cama, mas também não tive coragem e fui sozinha para o quarto.

Olhei no espelho e observando minhas curvas me senti uma mulher provocante e sedutora.  De uma forma bem sensual, tirei minha roupa como se fizesse um strip-tease.  Os bicos de meus peitos estavam enrijecidos e quando desci a calcinha vi minha buceta inchada e melada.  Tudo que eu queria naquele momento era a língua de Rosana se fartando com meu mel e me fazendo gozar.

Deitei-me nua na cama e percorrendo meu corpo com as mãos, concluí que minha pele era realmente sedosa.   No caminho até minhas coxas pude perceber a sensualidade de minhas curvas, mas o maior deleite for passar os dedos no espaço entre as coxas e os grandes lábios de minha buceta.  Paulo sempre me acariciou desta maneira, mas na verdade nunca tinha proporcionado a mim mesma este prazer, afinal de contas nunca tive o costume de me masturbar.

 Me sentia seduzida por meu corpo.  Virei-me de lado e continuei tocando por trás com meus dedos a entrada de minha buceta que fervia.  Estava tão melada, que ao passar os dedos pelo meu rabinho o deixei todo lambuzado.  Minhas pregas se contraíram, porém não resisti e lentamente enfiei um dos dedos, chegando a suspirar e gemer baixinho.  

Fiquei por alguns instantes me deliciando do êxtase provocado por meu dedo imóvel para em seguida expulsá-lo com uma gostosa contração.  Foi tão gostoso que refiz o percurso várias vezes, porém começando pelo clitóris protuberante até a ponta de minha coluna.  Descobri que percorrer o rego com os dedos era muito gostoso.

Quase gozando, voltei a ficar de costas e comecei a massagear meu clítoris com os dedos e a apertar meus mamilos.  Por vezes enfiava os dedos em minha buceta, fazendo com que o mel transbordasse e escorresse no lençol.  Quando pensei em pegar o dildo que Paulo havia comprado, não resisti e gozei enfiando os dedos bem no fundo.  Meu corpo se contorceu todo na explosão de um gozo alucinado que me deixou mole e esparramada na cama.

Quando minha respiração começou a voltar ao normal, fui surpreendida com a porta sendo aberta por Rosana, que nua e sem cerimônia entrou.  Se aproximou dizendo que estava a alguns minutos assistindo pela porta entreaberta, esperando meu gozo, para só depois entrar.

Rosana era uma loira linda de pele bronzeada e até mais alta do que eu.  Seus seios fartos destacavam as marcas brancas de um pequeno biquini que revelavam sua pele clara. Outra pequena marca branca emoldurava sua buceta completamente depilada e seus pequenos lábios saltavam para fora expondo seu clitóris que por sinal era bem maior que o meu.

Dava para perceber que estava muito excitada e sem perder tempo deitou-se entre minhas pernas abertas e me beijou alucinada.  As línguas se misturavam em completo deleite e um tesão desvairado tomou conta de minha cama.  Sem interromper o beijo,  levantou um pouco seu peito e fez com nossos mamilos enrijecidos se tocassem enquanto seus quadris pressionavam meu corpo.

O fato de ter gozado a poucos minutos não diminuiu minha excitação. Dobrando minhas pernas abertas, consegui levantar meus quadris, permitindo que nossas bucetas se beijassem.  Rosana passou a se movimentar, esfregando seu clitóris no meu como se fosse um homem fodendo uma buceta.  Tudo isso acompanhado de um beijo intenso e molhado que lambuzava nossas bocas.  Foram minutos de muito êxtase, só comparáveis às loucuras no Caribe.  Na verdade, era mais intenso que na tarde que passei com Nádia e experimentei pela primeira vez o sexo com uma mulher.

Fogosa e muito excitada, interrompeu o beijo e começou a gemer alto e a intensificar o movimento dos quadris até gritar e gozar.  Rapidamente cruzei minhas pernas sobre seu corpo, e forçando meus quadris para cima mantive nossas bucetas coladas. Seus movimentos fortes pareciam de um homem, que quando goza parece tentar despejar os jatos de porra bem no fundo de nossas entranhas. 

Extasiada, continuei a esfregar minha buceta na dela.  Com o gozo recente, se sentiu incomodada pela sensibilidade de seu clitóris e tentou levantar seu corpo que estava preso.  Logo percebi e desci minhas pernas, permitindo que escorregasse seu corpo e caísse de boca em minha buceta.

Sua boca molhada de nosso beijo, fazia com que seus lábios e sua língua deslizassem por toda a extensão dos grandes e pequenos lábios.   Fiquei desesperada a ponto de segurar sua cabeça e pressionar minha buceta contra sua boca, com a intimidade de amantes de longa data.  Aproveitando a dilatação e a farta lubrificação, enfiou de uma só vez dois dedos para massagear a parte superior de minha vagina procurando meu Ponto G.

Quando passou a sugar meu clítoris, logo cheguei ao ápice e da mesma forma que aconteceu no ménage com Pablo, gozei com uma forte ejaculação.  Rosana foi surpreendida por jatos fortes em seu pescoço e em seu rosto, mas logo percebeu que era um squirting ou popularmente chamado de ejaculação feminina. 

Com o rosto todo molhado, um lindo sorriso demonstrou o quanto estava feliz e saciada.  Como não era a primeira vez que acontecia daquela maneira, não senti vergonha nem constrangimento e ainda ofegante completei olhando para seu lindo rosto: “Que delícia !!”.

Estávamos exaustas e após descansarmos um pouco na cama toda enxarcada, tomamos um banho e fomos dormir no quarto que havia preparado para ela.  Dormimos abraçadas e ao acordarmos ainda fizemos um gostoso sessenta e nove antes do café da manhã.

Durante o café conversamos sobre tudo que havia acontecido.  Para mim foi uma experiência muito prazerosa e gostaria sim de repetir, mas não poderia se tornar algum tipo de relacionamento.  Rosana confirmou dizendo que também gostaria, mas tinha consciência que precisava encontrar uma companheira, de preferência como eu.  No final da conversa contei que Paulo tinha o desejo de fazer um ménage com outra mulher e a convidada poderia ser ela.  Rosana só respondeu sorrido: “Quem sabe um dia ….”.Paulo chegou no mesmo dia e não resistindo contei tudo para ele, principalmente as partes mais quentes.  Paulo conhecia Rosana e a considerava uma mulher bonita, mas não tinha ideia da beleza de seu corpo, que descrevi em detalhes.  Além da saudade e depois de um período sem muitas emoções, o assunto proporcionou uma noite de muito sexo gostoso.  Na hora de dormir, acabei por atrapalhar seu sono ao contar sobre a proposta de ménage, sabendo que certamente o deixaria assanhado.