Contos Eróticos Sexo Livre

Erotismo em forma de Série

Publicado o Episódio 21

Publicada a ilustração do Episódio 19 – Em breve novas ilustrações

Swing no Caribe

Episódio 21

A noite continuou com muitas loucuras.  O último episódio da Primeira Temporada está cheio de surpresas.

“Paulo não perdeu tempo e se agachou enfiando o pau duro de Pablo novamente em seu rabo, que lambuzado de porra nem precisou de gel para lubrificar.  … Passei minha mão em minha buceta lambuzada e segurei seu pau fazendo com que deslizasse, o deixando com mais tesão ainda.  Quando ficou durinho coloquei em minha boca enfiando até a garganta.

Prévia do Áudio

Sentei-me ao pé da cama e pedi para que Pablo se sentasse ao meu lado falando em seu ouvido sem que Paulo escutasse:

– Você ainda é jovem e continua cheio de tesão, mas estou exausta, caso contrário te ensinaria eu mesma a última lição da noite.  Só falta aprender a foder um rabinho.

Paulo ficou curioso e tentou ouvir o que conversávamos, suspeitando que ele estaria envolvido.  Deve ter ficado ansioso em pensar que naquela noite eu só pensava em sacanagem e certamente isso o deixava ainda mais excitado.  Mais curioso ficou quando mandei que Pablo se deitasse e passei a lamber seu pau, que começava a amolecer.

Enfiando tudo na boca, chupava com vontade fazendo com que logo ficasse durinho.  Vendo o desejo nos olhos de Paulo, o chamei para participar da brincadeira de fazer com que o garoto ficasse louco de tesão.  Chupamos, lambemos e beijamos seu pau e seus testículos que estavam bem depilados, não perdoamos nem seu rabinho, onde demos umas boas lambidas. Paulo ficou ainda mais excitado tendo pela primeira vez testículos em sua boca e chupava as bolas como se fossem uma fruta gostosa.  Quando vi que ele estava novamente em alto grau de excitação propus de maneira bem sacana ensinarmos Pablo a foder um rabinho.

O bobinho achou que era o meu que seria fodido, porém havia combinado com Pablo que ele iria foder o rabo de Paulo.  Quando falei que seria o dele seus olhos brilharam e provavelmente na mesma hora seu rabo deve ter se contraído de tesão, já que era aquele o desejo que ele sentia e não sabia explicar o porquê. 

Paulo se ajoelhou na cama apoiando na cabeceira com as pernas semiabertas.  Um arrepio percorreu todo seu corpo quando sentiu meus dedos lambuzando seu rabo com o lubrificante gelado.  Enfiei um dedo e massageei sua próstata enfiando logo em seguida um segundo dedo.  Passei a foder seu rabo entrando e saindo com os dois dedos que de repente se tornaram três.

Nunca imaginei que ficaria tão excitada enfiando três dedos no rabo de meu homem, mas tesão mesmo foi ele quem sentiu, chegando a gemer.  Depois de tudo que havia acontecido sem que ele gozasse, estava com uma tensão sexual acumulada que fez com que perdesse novamente o controle, se entregando totalmente aos meus pensamentos sacanas.  

Seu coração disparou quando me ouviu dizer a Pablo:

– Vem foder sua segunda putinha desta noite.  Venha sentir como é gostoso foder um rabinho apertado cheio de tesão.  Mete bem lá no fundo até gozar que ele nunca sentiu seu rabo se enchendo de porra quente.

Os segundos que se seguiram levaram Paulo ao êxtase total.  Tirei os dedos de seu rabo que logo em seguida foi preenchido pelo pau grosso e duro de Pablo.  Como havia pedido, Pablo fodeu o rabo de Paulo sem nenhuma cerimônia.  Tirava quase todo para depois enfiar forte novamente enquanto ao seu lado eu beijava Paulo sussurrando sacanagens em seu ouvido:

– Seu safado!  É muito homem para foder minha buceta e meu rabinho, mas quando bebe e liberta seu lado mulher é muito mais puta que eu.  Fica doido para ter um pau grosso na boca e no rabo.  Queria hoje te fazer de minha putinha, mas foi muito melhor ser a putinha que tirou a virgindade de Pablo.  Aproveita a chance de libertar a safada que tem dentro de você.  

Não sei se era eu ou ele quem tinha perdido mais o controle, já que não me imaginava falando daquele jeito com meu marido.  Paulo sempre teve a mente aberta e adorava uma sacanagem, porém eu sempre fui conservadora e nem me sentia a vontade para falar sobre sexo.

Perder a virgindade fodendo uma mulher e um homem na mesma noite deve ter sido muito para um jovem como Pablo, certamente nunca vai esquecer da experiência.  As sacanagens ditas por mim o deixaram eufórico e segurando os quadris de Paulo penetrava cada vez mais fundo em um ritmo contínuo que o deixou enlouquecido.  Paulo sempre achou que sexo tem de ser prazeroso e ao mesmo tempo divertido e meu sorriso demonstrava a alegria de vê-lo delirar de prazer.

Para enfiar cada vez mais no fundo, Pablo puxava sua bunda fazendo com que se afastasse da cabeceira até ficar de quatro.   Seu pau entrava todo e suas bolas se chocavam com as Paulo.  Vi que o pau de Paulo pingava e como naquele momento eu só pensava em sacanagem, colhi com os dedos o líquido viscoso e enfiei em sua boca provocando:

– Aposto que iria preferir chupar um pau pingando, mas por agora chupa meus dedos lambuzados com seu próprio tesão.

Fora de controle, segurou minhas mãos e chupou meus dedos com se realmente fosse um pau de verdade, me divertindo com seu tesão.  Na verdade, eu estava muito excitada, enfiei dois dedos em minha buceta que já se encontrava toda molhada e coloquei novamente em sua boca continuando a provocar:

– Olha o tesão que estou sentindo em te ver como uma putinha sendo fodida por Pablo.  Já que não temos outro pau para você chupar, vai ter de chupar minha buceta e me fazer gozar novamente.

Já me encontrava ajoelhada ao seu lado e bastou ficar na sua frente, para que ele sentisse o cheiro forte da mistura de lubrificação e de porra que lambuzavam minha buceta, que imediatamente começou a lamber.  Passei a gemer e a incentivar Pablo a fodê-lo de modo bem selvagem.

Paulo gozou tão desesperadamente que nem soube depois descrever o que aconteceu com ele.  As contrações ocorreram no interior de seu rabo, podendo sentir toda a extensão do pau de Pablo e terminando em um jato de porra e uma chupada forte em minha buceta que impediu que gritasse de tanto prazer.  Porém desta vez continuaram por muito tempo, aumentando aos poucos o intervalo entre elas.

Sorria e me deliciava com seu gozo e desta vez entendi como ele se sente, cada vez que me faz gozar de forma intensa com sua boca.  Estava muito excitada e quase gozando também.

Pablo também aproveitou a sensação, deixando seu pau quieto bem no fundo, enquanto sentia as contrações do rabo vibrante de Paulo.  Assim que o gozo de Paulo pareceu terminar, voltou a fodê-lo devagar, percebendo que seu rabo havia ficado apertadinho, mas à medida que foi acelerando ele foi relaxando e quando vi Pablo o fodia de novo, agora sim, de forma bem selvagem dando até uns tapas em sua bunda que ficou toda vermelha.

Da mesma forma, passei a movimentar meu corpo esfregando minha buceta em sua boca fazendo com que sentisse estar sendo fodido dos dois lados.  Paulo se sentiu naquele momento completamente passivo e dominado por nós, era nossa putinha, nosso objeto de prazer.  Mesmo depois de ter gozado, continuou excitado e certamente sua realização completa seria proporcionar com seu corpo o gozo de Pablo e o meu.

Fui a primeira a gozar e sabendo que ele gostava, o sufoquei, segurando seu rosto e pressionando contra minha buceta que vibrava com as contrações do gozo intenso.  Meus gemidos finais foram muito altos e como já era tarde, podem até ter acordado os casais dos quartos vizinhos.  Como parte de meu êxtase comecei a quase gritar:

– Goza Pablo! Goza!  Enche de porra o rabo dessa putinha safada.  Não é isso que você quer, meu amor?

Depois de algumas enfiadas bem longas e profundas, Paulo pode sentir uma sensação nova e excitante.  Foram os jatos fortes de porra quente do gozo de Pablo.  A cada jato ele enfiava forte e Paulo sentiu que seu rabo estava sendo inundado.  Foi um gozo muito louco, ele mal conseguiu segurar seus gemidos, que como os meus podem ter sido ouvidos pelos vizinhos.  

Por alguns instantes ficamos todos em silêncio. Deixei Paulo respirar, porém permaneci com minha buceta em seu rosto.  Pablo ficou imóvel com seu pau enfiado bem no fundo ainda ofegante.  Vi que Paulo respirava fundo para sentir o cheiro estonteante de minha buceta, dava para perceber pelos movimentos que ele contraia seu rabo para sentir toda a extensão do pau ainda duro de Pablo enquanto sua bunda era aquecida pelas coxas quentes do jovem.  Se dependesse dele permaneceria por horas naquele estado.

Já que não se movia, mandei que Pablo tirasse seu pau bem devagar para que Paulo sentisse cada centímetro saindo e que parasse quando faltasse só a cabeça.  Jovem, no auge de sua potência sexual, ainda permanecia com o pau duro o suficiente para penetrá-lo novamente e foder mais um pouco.

– Ela quer mais!  Essa safada ainda quer mais pau no rabo!

Excitado, Paulo pediu para que Pablo se deitasse que realmente queria mais.  Ao deitar-se de costas seu pau não conseguiu se manter ereto e Paulo resolveu ajudar.  Segurou seus testículos e começou a chupá-lo para que ficasse duro novamente.  Estava lambuzado de porra deixando Paulo ainda mais excitado.  

No princípio fiquei só observando, espantada com a atitude de Paulo e com a energia de Pablo, que ainda era capaz de ficar com o pau duro, mesmo tendo gozado a poucos minutos. Sabia que Paulo gostava de sacanagem, mas não imaginei que era tanto.  Deitei-me ao lado de Pablo e iniciei um beijo bem molhado que juntamente com o boquete de Paulo fez com que seu pau ficasse no ponto. 

Paulo não perdeu tempo e se agachou enfiando o pau duro de Pablo novamente em seu rabo, que lambuzado de porra nem precisou de gel para lubrificar.  Que delícia foi vê-lo cavalgar enlouquecido com o aquele pau grande e grosso deslizando dentro de seu rabo.  Nas outras vezes, durante a penetração, seu pau cresceu, mas não ficou duro, porém desta vez eu queria que fosse diferente.  Passei minha mão em minha buceta lambuzada e segurei seu pau fazendo com que deslizasse, o deixando com mais tesão ainda.  Quando ficou durinho coloquei em minha boca enfiando até a garganta.

Estava muito excitada, ficando mais ainda ficou quando Pablo enfiou dois dedos em minha buceta trazendo lubrificação para meu rabinho que até agora não havia sido tocado.  Enfiou um dedo e logo em seguida mais um em meu rabo, fazendo com que gemesse e quase mordesse o pau de Paulo.

Ficamos vários minutos naquela loucura, Pablo fodia suas duas putinhas ao mesmo tempo.  Aposto que nunca imaginou que perderia a virgindade numa noite como essa.  Era uma noite tão louca como a tarde com Rafael e Nádia, só faltava alguém filmando que teríamos mais um filme pornô de sucesso.

Quando Paulo começou a gemer, engoli o mais que pude seu pau e apertei com meus lábios.  Agora o sacana foi Paulo, que segurou minha cabeça e gozou em minha garganta me fazendo engolir e quase me engasgar.   Estava com muito tesão, suguei e engoli cada gota, para logo em seguida tirar os dedos de Pablo de meu rabo e tomar o lugar de Paulo.

Agachei-me sobre Pablo, porém na posição inversa de Paulo, fazendo com se deliciasse com o visual de minha bunda e minha buceta.  Com o rabo já preparado pelos seus dedos, segurei seu pau duro e encaixei a cabeça em meu excitado buraquinho que gulosamente a engoliu.  Para ficar mais excitante, tirei a mão e fui descendo devagar minha bunda até sentir os testículos tocarem minha buceta.

Com as mãos apoiadas nas coxas de Pablo, subia e descia em movimentos longos para sentir a dimensão do gostoso pau que entrava e saía de meu rabo.  Apesar de ter gozado a poucos minutos, Paulo apreciou excitado a dança de meus quadris e o entrar e sair de um pau grande e grosso.  Passei a gemer e respirar fundo a cada movimento, até que cansei da posição e me deitei de costas sobre Pablo, apoiando meu corpo nos braços voltados para trás.

Pablo logo compreendeu que era hora de fazer sua parte e segurando com suas mãos fortes minha bunda continuou o movimento de entrar e sair.  Levantava minha bunda, fazendo com que seu pau saísse para depois levantar seus quadris e penetrar novamente.  Repetia o movimento descendo seus quadris para depois descer minha bunda me fazendo quase gritar de tanto tesão.

Paulo viu então a chance de tornar a cena ainda mais pornográfica.  Abrindo um pouco as pernas de Pablo, se arrastou na cama até que seu rosto ficasse na posição perfeita para lamber minha buceta e ao mesmo tempo o pau de Pablo.  

Me contou que seus sentidos se ligaram naquele momento e nunca iria esquecer.  A visão do pau grosso entrando no meu lindo rabinho, o cheiro forte e o gosto de tesão e gozo, meus gemidos e para completar suas mãos tocando minha pele suave. Além de tudo minha buceta estava bem dilatada, dando para ver em seu interior o movimento do pau de Pablo entrando e saindo de meu rabo.

Desejei naquela hora seu pau em minha buceta como na tarde com Rafael e Sara, mas apesar de excitado e até mesmo turbinado por Viagra, não tinha mais vinte anos e não dava para ficar com o pau duro logo após ter gozado.  Porém era criativo e achou logo uma solução, enfiou dois dedos em minha buceta, fazendo com que gritasse de tanto prazer.

 No lugar de simular uma penetração procurou a provável localização do meu ponto G e passou a massagear com a ponta dos dedos.  Os múltiplos estímulos me deixaram enlouquecida.  Um pau fodendo meu rabo, dois dedos massageando meu ponto G, uma língua lambendo meu clitóris e para completar Pablo usando suas mãos para apertar seus peitinhos e beliscar meus mamilos.  Estávamos os três totalmente descontrolados em total êxtase.

Até que cheguei ao meu ponto máximo de excitação, e de repente, juntamente com uma forte contração de minha buceta, esguichei um jato forte de um líquido branco, de sabor diferente, diretamente na boca de Paulo, seguido de outros em seu rosto que instintivamente se afastou um pouco de minha buceta.  Descobri depois que havia experimentado um gozo muito intenso com a pouco conhecida ejaculação feminina.

A cada contração forte de minha buceta e de meu rabo expelia um jato forte e gritava de prazer.  O volume do líquido era muito maior do que do gozo masculino, fazendo com que o rosto de Paulo, as pernas de Pablo e o lençol da cama ficassem bem molhados.  Depois de quase um minuto de gozo desfaleci sobre Pablo que estava excitado e ao mesmo tempo assustado.

Paulo se levantou e me ajudou a deitar ao lado de Pablo, que permanecia com o pau duro de tesão.   Não querendo deixar o jovem na mão e de quatro ao seu lado Paulo começou a masturbá-lo com as mãos e a boca.  Muito excitado, Pablo estava quase gozando e com os olhos fechados movimentava sua bunda para cima e para baixo fazendo com que seu pau entrasse e saísse da boca de Paulo que adorou.  Quando viu que ele iria gozar, tirou seu pau da boca e finalizou com as mãos.  Achei que Paulo iria querer engolir tudo, porém foi melhor assistir e me deliciar com a visão dos jatos de porra que pareciam fogos de artifício. 

Exausto, Paulo deitou-se ao meu lado e após um gostoso e lambuzado beijo, me acomodei com a cabeça em seu peito.  Ficamos os três deitados durante alguns minutos, relaxando após uma verdadeira maratona de sexo.  Não se ouvia uma palavra sequer, apenas nossa respiração ofegante.  

Pablo foi o primeiro a romper o silêncio ao olhar no relógio e ver que estava quase na hora da boate fechar, seria muito suspeito se ele chegasse no alojamento depois dos funcionários que estavam trabalhando por lá.  Perguntou se poderia usar nosso chuveiro para tomar um banho antes de ir embora, já que se encontrava todo lambuzado sem a menor condição de se vestir.  Continuamos deitados até que Pablo terminou seu banho e saiu do banheiro todo arrumadinho.  

Ao comentar que se quiséssemos poderíamos solicitar à governança a troca dos lençóis, prontamente respondi:

– De forma alguma!  Morreríamos de vergonha.  Espero estar bem longe que forem arrumar o quarto.

Pablo sorriu e quis se desculpar por qualquer excesso, mas Paulo logo respondeu dizendo que todos nós havíamos cometido excessos, porém éramos adultos, e tudo que aconteceu foi consentido e certamente muito prazeroso para os três.  A única coisa que pediu a ele, é que caso decidisse por contar para alguém, o que acharíamos natural, omitisse nossos nomes.

Demonstrando minha satisfação completei:

– Creio que você nunca vai esquecer de nós.  Afinal de contas, além de ter sido sua primeira vez, teve a oportunidade de experimentar o sexo com uma mulher e um homem.  Nós também não vamos esquecer de você, além de muito educado é muito gostoso.

Pablo agradeceu e antes que saísse Paulo foi até a porta para ver se não havia ninguém no corredor, afinal de contas, não gostaríamos que ele fosse visto saindo de nosso quarto.

Estávamos suados, cheirando a sexo e a cama estava suja, porém tão exaustos que dormimos daquele jeito mesmo, no máximo fomos ao banheiro.  Só acordamos no horário por conta do despertador do celular, estávamos nus e só então tomamos consciência do que havia acontecido naquela noite, que mesmo não tendo sido filmada renderia muitas lembranças excitantes.

Nem tivemos tempo para conversar sobre o assunto, levantamo-nos rapidamente, tomamos um banho, arrumamos as malas e fomos para o café.  Para evitar constrangimentos, deixamos na porta a plaqueta de não perturbe, evitando que arrumassem o quarto antes de retornamos.  Voltando ao quarto, mal tivemos tempo para fechar as malas, fazer o check-out e aguardar o transporte que nos levaria ao aeroporto.

Já no aeroporto, antes de embarcar, recebi uma mensagem de Nádia desejando um bom retorno ao Brasil.  Paulo recebeu também uma mensagem de Rafael que o deixou aliviado.  Na mensagem pedia que não enviasse os vídeos que havíamos gravado e que poderíamos assistir quantas vezes quisermos, mas que preferia que destruíssemos todas as cópias.  Paulo respondeu que ficasse tranquilo, que estavam bem protegidos e realmente gostaríamos de assistir antes de apagar.Após uma longa viagem de volta, chegamos a São Paulo onde passaríamos dois dias antes de voltarmos para casa no interior do estado, terminando assim nossa aventura no resort caribenho.   Será que a partir desta viagem seremos um novo casal liberal ?