Contos Eróticos Sexo Livre

Erotismo em forma de Série

Publicado o Episódio 21

Publicada a ilustração do Episódio 19 – Em breve novas ilustrações

Um Novo Casal Liberal

Episódio 14

Paulo surpreende Sara com a proposta de sairem com uma garota de programa. Inicialmente Sara não se interessa pela ideia, porém quando descobre que é uma garota trans, linda e bem dotada, muda de opinião. Na primeira hora as atenções foram voltadas para Sara que vive uma experiência de prazer extremo com direito a DP e orgasmos intensos.

Vindo de carro, Paulo chegou ao hotel por volta das dez horas e nos encontrou tomando café.  Com pesar, se despediu de Rosana, que não poderia ficar conosco no final de semana.  Subimos para o quarto e ao entrar logo percebeu o cheiro excitante que tomava conta do cômodo fechado.  Era uma mistura de perfumes, suor e odores femininos, enfim, cheiro de sexo entre duas mulheres.

Deixando sua mala de lado, foi direto para o banheiro.  Aproveitei para tirar a roupa e vestir novamente a camisola que ainda se encontrava jogada na cama.  Na verdade, pretendia voltar a dormir, mas estava preparada para a possibilidade de ele querer me chupar e me foder depois de duas noites separados.  

Assim que voltou, sentou-se na cama e foi logo dizendo que tinha planos para aquela tarde.  Pegou o celular e me mostrou o perfil do Twitter de uma garota morena, muito bonita com o título “Bruna em São Paulo”.  

Pelas primeiras fotos me senti atraída pelo seu corpo.  Peitos pequenos, um pouco maiores que os meus, bem alta e com uma bunda maravilhosa.  Logo vi que era uma garota de programa e achei estranha a proposta, porém quando apareceu a primeira foto frontal é que entendi melhor.  Bruna era uma garota trans, uma das fantasias de Paulo.  Além de linda e gostosa, tinha um diferencial que me deixou arrepiada.  Pela foto e descrição, seu pau tinha vinte e dois centímetros e provavelmente mais grosso que o de Rafael. Começava com a cabeça pequena e logo aumentava de diâmetro.  Na foto estava duro e ereto com um texto que dizia “Acordei com tesão !”.

Fui logo perguntando a Paulo:

– A proposta é sairmos com ela ?

Sorrindo, me respondeu que havia marcado um encontro para aquele dia às dezesseis horas e que tinha certeza de que eu toparia a aventura.  Fiquei com certo receio, mas o desejo de colocar aquele pau em minha boca e de senti-lo em minha buceta, fez com que imediatamente respondesse.

– Por que não ?  Ela é muito gostosa e bem-dotada.

Seu pau duro era percebido na cueca, mas apesar do tesão, propôs dormimos um pouco mais e guardarmos as energias para o encontro.  Paulo nem imaginava o quanto estava cansada e com sono.  Afinal de contas, depois de sair do apartamento de Cláudio, havia ficado até altas horas aproveitando o corpo delicioso de Rosana, sem contar a despedida ao acordarmos.

Bruna tinha seu próprio local para os encontros.  Um apartamento em um bairro nobre, próximo ao hotel em que estávamos hospedados.  Nos recebeu vestindo uma lingerie de renda preta, com sandálias de salto que a deixavam ainda maior do que já era.  Paulo ficou sem palavras e deixou clara nossa ansiedade.  Experiente, nos chamou para entrar e ficarmos à vontade.

O apartamento era pequeno, porém bem arrumado e cheiroso.  Da sala, dava para ver o quarto com uma cama grande, já preparada com vários travesseiros.  Realmente não sabíamos o que fazer, era uma situação nunca vivida por Paulo e muito menos por mim. 

Nos olhando de cima em baixo, foi logo comentando que Paulo era um homem de sorte.  Havia encontrado uma mulher mais jovem que ele e muito bonita, porém que eu também havia sido agraciada com um homem com a mente aberta, não ciumento e disposto a novas experiências.  O comentário fez muito bem para meu ego e me deixou excitada.  Felizmente Paulo não se importava e até se sentia lisonjeado, preferindo não comentar que tínhamos quase a mesma idade.

Ainda na sala, segurou minha mão e se aproximou para me surpreender com um gostoso beijo.  Sua boca era quente e sua língua habilidosa me deixaram logo com um forte calor entre as pernas.  Pensando em facilitar o momento, usava um vestido fácil de ser aberto e logo Bruna me deixou só com as roupas íntimas.  Olhou para Paulo e novamente comentou que tinha muita sorte, que além de bonita eu era muito gostosa.

Segurando minha mão, me levou para o quarto, pedindo para que Paulo tirasse sua roupa e viesse também.  Ansioso, se despiu, mas ficou em dúvida se permanecia de cueca.  Percebendo que apesar da ansiedade, se encontrava com o pau duro, resolveu tirar tudo e nos acompanhar.

Ainda de pé, me olhando nos olhos, Bruna com maestria tirou meu sutiã e o seu.  Aproximando nossos corpos, além de me fazer sentir o grande volume preso em sua pequena calcinha, fez com que nossos mamilos enrijecidos se tocassem, me deixando toda arrepiada e ainda mais excitada.  Depois de um longo e molhado beijo, se agachou e delicadamente, tirou minhas sandálias e minha calcinha, para em seguida me fazer suspirar com um selinho em meu clitóris saliente.

Vendo o pau duro de Paulo, empinou a bunda para que ele vislumbrasse seu rabinho semicoberto pela estreita tira da calcinha fio dental que deveria ser retirada por ele.  Se aproximando por trás, ele se agachou e apreciou extasiado aquela bunda linda, praticamente nua.  Ao descer a minúscula peça, que com dificuldades segurava um pau grande e duro, este saltou para fora, tocando imediatamente minha buceta que se encontrava logo em frente.

Por um instante, Paulo ficou imaginando que era mais perfeito, o rabo virgem de Rosana ou aquele, que provavelmente era bem mais experiente.  Seu fascínio só foi interrompido ao ver o pau de Bruna, fazendo com que um desejo conflitante tomasse conta de seu corpo.  De um lado, o de lamber aquele rabo maravilhoso e fodê-lo até gozar.  De outro, colocar aquele pau enorme na boca até engasgar-se, para depois senti-lo inteiro em seu rabo.

 De minha parte não tive dúvidas, me agachei e quase não conseguindo segurar com uma mão, tentei colocá-lo todo em minha boca.  Me engasguei antes mesmo de entrar a metade.  Era grande, grosso, cheiroso e delicioso.  Bruna estava completamente depilada, provavelmente depilação a laser, já que não dava para perceber nenhum pelinho apontando.  Acho que nunca havia sentido na boca algo tão gostoso.  O de Cláudio era até bonito e gostosinho, mas não tinha aquele tamanho que o tornava tão atraente e não sei dizer o porquê, mas o de Paulo e Rafael não eram tão agradáveis de chupar.  Paulo então se decidiu e resolveu me acompanhar.  Passamos a dividir o membro delicioso de Bruna, que apenas suspirava e dizia que adorava ser chupada.

Percebendo que se deixasse por nossa conta, chuparíamos seu pau até gozar, Bruna me levantou, me virou de costas e segurando minha bunda me fez entender que era para ficar de quatro aos pés da cama.  Enquanto colocava um preservativo, me apreciava por trás, aproveitando para comentar que eu tinha uma buceta linda e um rabinho muito delicado, que provavelmente era raramente fodido.  Confirmei que sim, já que me senti agoniada, só de imaginar aquele pau enorme tentando fodê-lo.

Acomodei minha cabeça em dos travesseiros e logo comecei a suspirar, sentido sua língua descer pelo meu rego até encontrar o rabinho. Pela primeira vez, me entreguei completamente ao delicioso beijo grego.  Sei que é bobagem minha, mas com Paulo nunca consegui suportar por muito tempo.  Não me sinto a vontade com meu marido lambendo meu rabo, principalmente quando sua língua chega a penetrar em seu interior, porém com Rosana e agora com Bruna, me libertei completamente de qualquer pudor ou vergonha.

Segurando  meus quadris, massageava minhas pregas em movimentos circulares para depois enfiar sua língua até onde conseguia.  Alternava com lambidas longas, que começavam na entrada de minha buceta, percorrendo toda a extensão de meu rego, até o ossinho protuberante do cóccix.  Fazia questão de passar lentamente pelo rabinho, só para ver as pregas se contraírem involuntariamente e ouvir meu gemido.

Aquele deleite só terminou, quando percebeu que minha buceta estava naturalmente se dilatando, minha lubrificação se tornando abundante e seu pau completamente rígido me desejando loucamente. Começou deslizando entre os lábios e logo tentou penetrar somente com a lubrificação natural.  Gemi alto ao sentir minha buceta se abrindo, porém quando chegou na parte mais grossa o gemido de prazer passou a ser de dor e Bruna percebeu. 

Paulo estava com o pau na mão, apenas observando a cena pornográfica de sua mulher prestes a ser arrombada pelo pau de uma garota.  Distraído, demorou a perceber que Bruna o pedia para pegar um tubo de lubrificante na gaveta do criado ao lado da cama.  Ansiosa, logo senti o gel frio colocado em minha buceta por dois dedos de Bruna que também lambuzou seu pau.

Apesar da expectativa, tentei relaxar enquanto sentia minha buceta se dilatando.  Desta vez foram somente gemidos de prazer intenso e a deliciosa sensação de ter meu corpo preenchido, até que percebi a pele suave de suas coxas tocando minha bunda.  Achei até que seu pau havia entrado totalmente dentro de mim, mas na verdade ainda faltavam alguns centímetros que se completaram com Bruna segurando meus quadris e me puxando até que suas bolas tocassem minha buceta.

Bruna não tinha pressa e fazia tudo calmamente.    Lentamente, tirava totalmente, vendo minha buceta quase se fechar, para colocar novamente  até o fundo onde permanecia por alguns segundos para que eu pudesse perceber seu tamanho e grossura.  Não conseguindo me controlar, gemia cada vez que sentia suas bolas tocando meu clitóris, até que fui interrompida por Paulo, que se deitando com as pernas em volta de meu corpo ofereceu seu pau para que eu chupasse.

Paulo estava muito excitado e de seu pau já brotavam gotas que logo seriam extraídas por minha língua.  Assim que o coloquei em minha boca, Paulo me segurou pelos cabelos e enfiou todo até minha garganta, me fazendo engasgar e quase expulsar o pau de Bruna.  O que parecia desconfortável na verdade foi muito excitante e libertou a puta que existe dentro de mim.

Me entreguei totalmente ao prazer de ser fodida pelos dois lados.  Levantava os olhos provocando em Paulo um desejo selvagem, que o fazia reagir me fazendo engasgar novamente.  Com a boca repleta de saliva, lambuzava seu pau e o fazia deslizar em minha mão, enquanto lambia sua cabeça grande.  Quando queria, olhava novamente para Paulo, que me fazia sentir na garganta o seu tesão.  Simultaneamente, meu delírio se completava com o pau de Bruna entrando e saindo de minha buceta.  Alternava em nos observar e apreciar os movimentos de meu rabinho quando enquanto seu pau penetrava até o fundo.

Tudo acontecia calmamente, até que o êxtase tomou conta de mim e passei a movimentar e arrebitar minha bunda,  indicando para Bruna que desejava uma penetração mais intensa.  Era a Sara ousada que acordava.  Naquele ângulo o pau de Bruna passou a se esfregar em meu clitóris, aumentando ainda mais o meu fogo.

Compreendendo bem o que eu queria, Bruna passou a me foder com a intensidade de uma jovem, que pelo que percebi era bissexual e muito ativa.  

– Libertou a puta que dentro de você ? 

Com o pau de Paulo na boca não respondi imediatamente, mas logo soltei a voz.

– Sim, uma puta muito safada, que está adorando essa pica grande na buceta.  Vai com força e me deixa tão arrombada que o pau de meu marido vai ficar sobrando dentro dela.

Não sei de onde saíram essas palavras, mas naquele momento me encontrava completamente descontrolada.  No limiar do gozo, um desvairado tesão tomou conta de meu corpo.

Bruna então pegou pesado e segurando minha bunda fodeu com tamanha intensidade, que só não gritei porque Paulo  segurou minha cabeça e manteve seu pau em minha boca.  Paulo e Bruna pareciam duas feras fodendo sua fêmea, achei que iram gozar antes de mim, mas em poucos minutos gozei loucamente, gemendo e gritando.  Foi um orgasmo muito louco, que me deixou ainda mais ofegante sem desfalecer, muito pelo contrário, me fez querer ainda mais e logo que me recuperei, pedi para que Bruna se deitasse de costas na cama que pretendia continuar.

Seu pau ainda duro era um convite para um boquete maravilhoso com direito a gozada na boca, mas minha buceta ainda queimava de tesão e sem perda de tempo me ajoelhei com as pernas em volta de seus quadris e deixei que minha buceta o engolisse completamente.  Quando olhei o corpo lindo de Bruna na minha frente, me dobrei e caí de boca em seus peitinhos delicados.  Enquanto cavalgava, chupava gulosa seus mamilos enrijecidos.

Desta vez foi Bruna que começou a gemer e tornar a cavalgada ainda mais gostosa movimentando-se em sincronismo com minha bunda.  Paulo chegou até a pensar em dar seu pau para Bruna chupar, porém ao ver minha bunda rebolando com aquele pau enorme enfiado na buceta, teve uma ideia bem melhor.  Quando percebi o gel frio lambuzando meu rabinho já era tarde e logo senti a cabeça grande dilatando minhas pregas.

Entorpecida, nem percebi a dor da entrada feita sem dó e logo tinha dois paus inteiros dentro de mim.  Seguiu-se uma orgia digna de um filme pornô.  Paulo se encontrava com os pés na cama, quase em pé, segurando minha bunda enquanto arrobava meu rabinho com o ímpeto de trinta anos atrás.  O movimento frenético de minha bunda os deixava ainda mais empolgados, principalmente Paulo que naquele momento não transava com a esposa, mas fodia uma atriz dos filmes que costumava assistir sozinho.  Aproveitando os jargões do meio, me sentia uma porn star em uma cena hardcore, com as hashtags “dupla penetração esposa”, “esposa coroa arrombada” e “dividindo a esposa com trans”.

Não tive ideia de quanto tempo durou nossa insanidade, mas novamente fui a primeira a gozar.  Na posição em que me encontrava conseguia controlar, de forma que quando queria, esfregava meu clitóris no pau de Bruna.  Apesar de estar bem em forma, não tenho mais sua juventude, mas aproveitei até não aguentar mais, já que nem Bruna nem Paulo gozavam.  Por sinal, os dois continuavam eufóricos e ficaram decepcionados quando me deitei desfalecida na cama.