Contos Eróticos Sexo Livre

Erotismo em forma de Série

Publicado o Episódio 01 da Terceira Temporada

Publicada a ilustração do Episódio 01

Prazer sem Limites

Episódio 01

A espectativa para o fim de semana no sítio de Sérgio e Sônia é de muito prazer o gozo. Logo no primeiro dia, Sara experimenta uma dupla penetração enquanto Paulo tem o desafio de satisfazer duas mulheres insaciáveis.

Meus hormônios se encontravam nas alturas e meu desejo por sexo se tornava maior a cada dia.  Sentia necessidade de gozar todos os dias e mesmo após um dia estressante de trabalho queria foder.  Nem todo dia queria Paulo, as vezes apenas me masturbar no chuveiro, imaginando realizar meus mais pervertidos desejos.  Acordava excitada pedindo a Paulo que me chupasse até gozar.  Paulo procurava diversificar, mas ambos queríamos algo mais que o sexo monogâmico.

Depois do encontro no clube de swing, Sônia e eu nos  mantivemos em contato e havia um forte desejo entre nós.  Rosana, a colega de trabalho, passou a manter um relacionamento constante com Cláudio e quase todo o fim de semana viajava para a capital para ficar com ele.  Com isso Sônia passou a ser minha amiga mais íntima.  Chegamos a fazer sexo virtual algumas vezes, inclusive com a participação de Paulo e seu marido Sérgio.

Sérgio havia proposto um encontro na chácara do casal, mas aguardávamos a disponibilidade de Pedro e Soraia.  Pedro é o negro bem-dotado que me fodeu no clube de swing e Soraia a amiga que cavalgava em Sérgio no ônibus da safadeza.  Fazíamos questão da presença deles para completar o encontro.  Por fim o encontro foi marcado para o final de semana aproveitando o feriado de sexta-feira.

Pedro e Soraia moravam na capital e puderam chegar logo cedo.  Mesmo com o feriado, trabalhei em casa pela manhã e só chegamos no meio da tarde.  O sítio era maravilhoso, com uma piscina grande e aquecida e uma casa enorme com três suítes.  A suíte principal tinha banheira e parecia que era maior que nosso apartamento.  O melhor de tudo era a privacidade, toda área da casa era cercada por um muro alto e a casa do casal que tomava conta da propriedade ficava do lado de fora.  De qualquer forma, creio que sabiam de tudo que acontecia dentro dos muros.  Era um casal jovem e atraente, ele alto e forte e ela uma morena de cabelos negros e olhar sensual, bunda farta e coxas bem torneadas, além de belos peitos.  Pelo short e blusa colada, suspeitei que havia algo mais que somente cuidarem do sítio, mas isso só fui descobrir no dia seguinte.

 Se apresentou como Laura e nos levou até uma das suítes para deixarmos nossas malas e nos trocarmos para acompanhar os outros na piscina.  Percebi que Paulo não tirava o olho da bela bunda da jovem, mas como também me senti atraída por ela não o condenei.  Quando se despiu para colocar a roupa de banho, seu pau duro o entregou.  Perguntei o que estava acontecendo e rindo apenas disfarçou dizendo que estava imaginando o que aconteceria nesse final de semana.  Apenas o provoquei dizendo que pretendia foder com o todos os homens que se encontravam por lá.

A área da piscina era perfeita, algumas espreguiçadeiras e duas camas impermeáveis do tamanho de camas de casal, como as que já vimos em resorts de luxo e algumas pousadas charmosas.  Próxima da casa, uma área gourmet, com churrasqueira e uma espécie de bar contendo uma grande variedade de bebidas, além de uma cervejeira.  Daniel, que depois descobri que era companheiro de Laura, preparava drinques para os convidados.  Até chegar á beira da piscina, minha mente pervertida imaginou inúmeras possibilidades com aquele belo casal.

Sérgio e Pedro se encontravam dentro d’água, enquanto as garotas faziam topless, deitadas em espreguiçadeiras próximas.  Praticamente ordenaram que eu tirasse a parte de cima do biquini e as acompanhasse.  No princípio me senti um pouco constrangida com meus pequenos peitinhos, frente aos peitos farto de Sônia e aos perfeitos de Soraia, mas logo percebi que meu corpo esbelto e minha bunda perfeita chamava a atenção de todos.  

Depois de alguns drinques, o objetivo do encontro foi se revelando e dois grupos se formaram.  Me encontrava sentada com Paulo em uma das camas.  Sônia e Soraia se levantaram das espreguiçadeiras em que se encontravam deitadas e o conduziram a outra cama localizada na ponta da piscina.  Imaginei que já haviam planejado antes de nossa chegada, já que logo em seguida Pedro e Sérgio pegaram minhas mãos e me colocaram de pé.  Nem percebemos que Laura e Daniel se retiraram para sua casa, como que prevendo o que aconteceria.

Pedro se aproximou até encostar em meu corpo e se iniciou um longo e molhado beijo.  Além do excitante beijo, pude sentir em meu corpo seu pau duro, que implorava para sair para fora da sunga apertada.  Em instantes senti o pau duro de Sérgio apertando minha bunda, me abraçando por trás para massagear meus peitinhos e beijar meu pescoço.

Atrevidamente, Sérgio retirou a minúscula calcinha do meu biquini e com uma das mãos segurou seu pau e passou a esfregar em minha buceta e meu rabo, enquanto continuava a beijar meu pescoço e com a outra mão a beliscar o meu mamilo enrijecido.  Sem interromper o beijo, Pedro retirou sua sunga e seu pau grande e duro se alojou entre os lábios de minha buceta que se encontrava toda lambuzada de tesão.  Senti que Sérgio retirava com seu pau minha farta lubrificação e espalhava no meu rabo, forçando delicadamente a entrada.  

Como não queria que acontecesse daquela maneira, tratei de mudar o rumo da brincadeira.  Me escorreguei entre os dois e me agachando segurei com as mãos os dois paus completamente eretos para lamber e chupar com a maestria de uma puta experiente.   O de Sérgio conseguia engolir inteiro para só então me engasgar e deixá-lo todo lambuzado.  Já o Pedro era muito grande e grosso e depois de pouco mais da metade já não conseguia ir mais adiante.  Que excitante era ver os dois machos de olhos fechados se deliciando com minha performance !

Naquela posição pude ver o que acontecia na outra cama.  De forma semelhante, Paulo se encontrava de pé beijando Soraia, enquanto Sônia o abraçava por trás apertando sua bunda com suas coxas e chupando seu pescoço.  Em seguida, como eu, se agachou e tirando a calcinha de Soraia passou a chupar sua buceta depilada, enquanto Sônia chupava os bicos grandes de seu lindo peito.

Deixando claro quem dirigia o script, mandei que Pedro se deitasse na cama para que eu ajoelhasse com seus quadris entre minhas pernas. Tive de permanecer com meu corpo elevado para encaixar a cabeça na entrada de minha buceta, que mesmo bem lubrificada com meu tesão, se recusava a receber aquele pau grosso e grande para uma cavalgada.  Como resultado das engolidas profundas de dois paus, minha boca se encontrava com muita saliva que acrescentei como lubrificante. Sérgio resolveu participar da cena e sem preconceito segurou com mão o membro lambuzado, para que remexendo meus quadris, o deslizasse completamente para dentro do meu corpo. 

Minha buceta havia recebido aquele mesmo pau no Glory Hole, porém a penetração não havia sido profunda.  Desta vez pude sentir cada um, dos aproximadamente vinte e cinco centímetros, serem engolidos por minha buceta sedenta.  Acomodada, me dobrei para acariciar o belo peito negro e beijar a boca quente de Pedro.

Vendo aquele pau enorme se movimentando na minha buceta depilada e meu rabinho de pregas perfeitas, Sérgio ficou alucinado e pude sentir sua língua atrevida massageando e penetrando em meu rabo. Meus movimentos eram lentos para poder sentir minha buceta se dilatar durante a penetração e por fim tocar minhas entranhas.  Enquanto lambia meu rabo, Sérgio tocava suavemente meu clitóris com os dedos, completando meu êxtase.  Interrompi o beijo para gemer baixinho de forma bem sensual, enquanto olhava fixamente nos olhos negros de Pedro.

Pelo aumento do ritmo de meus gemidos, Sérgio percebeu que eu estava prestes a gozar, o que aconteceu durante uma profunda enfiada de sua língua em meu rabo.  Sufoquei meus gemidos na boca de Pedro e calmamente aproveitei cada forte contração, que com a presença da língua de Sérgio incluiu meu rabo. Durante vários segundos, Sérgio pode se deliciar com meu rabo apertando sua língua.

Relaxada, deitei minha cabeça no peito forte de Pedro e por algum tempo observei junto com Pedro e Sérgio o que acontecia com Paulo na outra cama.  Vê-lo aproveitando o momento com as outras garotas, afastava a sensação de culpa por estar gozando nas mãos de dois outros homens e disposta a ir ainda mais além.  Paulo demonstrava suas habilidades orais, se aproveitando da deliciosa buceta jovem de Soraia, que provavelmente tinha menos de quarenta anos.  Sônia chupava seus mamilos e ocasionalmente os mordia, só para ouvir pequenos gritos de dor.  Logo Soraia gozou escandalosamente apertando a cabeça de Paulo contra sua buceta.  A cena continuou com Soraia mandando Paulo se deitar na cama e na mesma posição em que me encontrava iniciasse uma selvagem cavalgada em seu pau duro.  Sônia aproveitou e completou o delírio de Paulo se ajoelhando próxima ao seu peito e oferecendo sua buceta carnuda lambuzada de tesão, enquanto trocava um molhado beijo com Soraia.  

Excitada e orgulhosa da performance do marido, decidi dar continuidade à minha própria cena.  Comecei beijando e cheirando o peito suado de Pedro e levantando meu corpo para que desta vez fossem os seus movimentos que propiciassem o prazer da penetração.  Sérgio já se encontrava ao meu lado oferecendo seu pau pulsante para preencher minha boca, que sem perda de tempo aceitou.

Depois de gozar sendo tratada como rainha por dois machos era o momento de retribuir como uma puta bem safada, contratada para satisfazer os dois.  Depois de engolir e deixar bem lambuzado o pau de Sérgio, que por sinal era bem gostoso, olhei em seus olhos e retirando a farta saliva de minha boca a despejei em meu rabo cheio de desejo, deixando bem claro o que viria a seguir.

Se posicionando quase de pé atrás de meu corpo, enfiou dois dedos em meu rabo, enquanto deixava seu pau até brilhando com mais saliva.  Gemi e quase gritei dizendo que queria logo os dois dentro de mim.  Arrebitei um pouco mais a bunda para poder sentir a cabeça de pau de Sérgio abrir com cuidado as pregas de meu rabinho ainda apertado.  Soltei um forte gemido quando senti os dois bem no fundo e pedi para me foderem sem dó, como uma puta bem safada e gulosa.

Sérgio começou com movimentos lentos para que meu rabo fosse se relaxando e Pedro o acompanhou para manter o ritmo, dando para perceber que não era a primeira vez de ambos.  Aproveitei para observar o outro trio.  Soraia cavalgava em êxtase o pau de Paulo, quando chupava os fartos peitos de Sônia que gemia com a língua quente e habilidosa de Paulo.  Olhando para o lado, pode ver meu êxtase ao ser penetrada por dois homens, inclusive o seu marido.  Percebendo o aumento do ritmo que me fodiam, acompanhou e com o movimento dos quadris logo gozou gemendo, deixando Paulo sufocado com sua bunda.  

Mesmo sentindo que meus dois orifícios eram arrobados, continuei a observar o que acontecia na outra cama.  Soraia cavalgava Paulo em um ritmo louco e com a colaboração de Sônia massageando seu clitóris gozou novamente de forma escandalosa, que pelo jeito era sua marca registrada.  Paulo costuma demorar a gozar, porém com a cavalgada de Soraia, o cheiro e sabor inebriantes da buceta de Sônia e sua bunda o sufocando, se encontrava quase no pico da excitação.  A gota d’água foi ao se libertar da bunda de Sônia me ver gemendo com dois paus me fodendo.  Em um gozo alucinado inundou a buceta de Soraia com porra acumulada de vários dias.

Vê-lo gozar me deixou ainda mais eufórica e quase gritando com os dois paus penetrando minhas entranhas.  Pedia para que fodessem com mais força.  Sérgio, entusiasmado com meu fogo começou a dar uns tapas em minha bunda me deixando ainda mais enlouquecida.  Paulo, juntamente com Sônia e Soraia resolveram entrar na brincadeira.  Estavam suados e a farta porra despejada por Paulo escorria pelas pernas de Soraia que nem se importava.  Soraia se agachou atrás de Pedro e passou a beijá-lo.   Sônia veio por trás de Sérgio e o substituiu nos tapas em minha bunda que ardia e já se encontrava toda vermelha.

Paulo ficou em pé ao meu lado e ofereceu seu pau lambuzado de porra e dos fluídos de Soraia para que eu chupasse.  Saborear o fruto do sexo de meu marido com outra mulher, enquanto era fodida por dois homens e surrada  por outra, era para mim um ato de total depravação e ao mesmo tempo de liberdade para fazer e sentir o que desejasse.  Não  me sentia abusada por eles, mas poderosa por ser objeto de seus desejos mais obscenos.

Muito sacana, Sônia lambuzou o dedo em sua buceta e enfiou no rabo de Sérgio, que no meio da empolgação deixou rolar pela primeira vez um fio terra e pôde descobrir que seu rabo também poderia ser fonte de prazer, sem afetar sua masculinidade.  Engoli o quanto pude o pau de Paulo até me engasgar e quase expulsar o de Sérgio de meu rabo, que tratou de penetrar ainda mais fundo.

Foram momentos de total loucura que só se aproximou do fim, quando Sérgio chegou ao seu limite e tirando rapidamente o pau de meu rabo despejou os primeiros jatos de porra em minhas costas, realizando o desejo de Sônia de senti-lo gozando em seu dedo.  Recolocou para que continuasse a dupla penetração e pude sentir a continuidade de seu gozo em algumas estocadas fortes com jatos que inundavam meu rabo.

Me encontrava em total delírio, com três orifícios preenchidos, mas não conseguia gozar.  Percebendo o que acontecia e que Pedro estava prestes a gozar, massageou meu clitóris me levando aoum gozo desesperado e escandaloso como o de Soraia, proporcionando a Pedro e Sérgio a maravilhosa sensação de uma mulher gozando em seus membros.

Parecia que Pedro também iria gozar, porém antes que acontecesse se levantou para que as três garotas se agachassem e se revezassem chupando seu pau, que brilhava lambuzado com minha lubrificação.  Paulo e Pedro assistiam excitados a cena maravilhosa.  Paulo se masturbava, resistindo à tentação de participar também.  O gozo de Pedro foi fantástico, teve porra para nós três nos deliciarmos.  Para completar a depravação, finalizamos a cena com indecentes beijos lambuzados de porra em nossos maridos que não tiveram tempo nem coragem para recusar.  Paulo era safado o suficiente para apreciar e depois descobri que Sérgio tinha fetiche de corno e certamente gostou de sentir a porra de outro homem na boca de sua mulher.

Os momentos que se seguiram foram no mínimo estranhos.  Sônia, Soraia e eu nos sentamos na cama enquanto os homens se acomodaram nas cadeiras que se encontravam por perto.  Ninguém sabia bem o que dizer.  A embriaguez do tesão havia passado e parecia que todos estavam envergonhados com a cena pornográfica que protagonizamos.  Até que repentinamente Sônia começou a rir sem parar da situação e todos relaxarmos também.  Recobrando minha sanidade olhei para o bar e vendo que Daniel e Laura não se encontravam por perto, comentei com ironia que o casal não devia apreciar pornografia, mas certamente devia ter ouvido nossos gritos e gemidos.

Já anoitecia e concluímos que o melhor era nos recolhermos a nossas suítes e tomarmos um bom banho.  Como eram três suítes, Soraia e Pedro tiveram que dividir a cama e no meu íntimo senti inveja dela.  Na verdade, eram os mais jovens e formavam um casal sexy e bonito.  Combinamos de nos encontrar por volta das vinte horas para um lanche que seria preparado por Laura.